Enquadramento

A Eficiência Energética (EE) foi identificada pelo Governo de Cabo Verde como sendo uma área-chave na qual podem ser feitas importantes poupanças de custo, onde as emissões de gases de efeito estufa (GEE) podem ser reduzidas, assim como o elevado custo da eletricidade.

 

É neste quadro que o Governo de Cabo Verde beneficiou de financiamento do Fundo Global para o Ambiente (GEF) e do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD) para a implementação de um projeto intitulado ”Projeto de Eficiência Energética nos Edifícios e Equipamentos - PEEE”. O Projeto se enquadrada no Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE) e tem como objetivos eliminar obstáculos para a promoção da EE nos edifícios e nos equipamentos elétricos e eletrónicos, através da criação de quadro legal e institucional propício, sensibilização, educação, informação e disseminação de boas práticas, permitindo a criação de um mercado de EE e consequente redução do consumo de energia e diminuição da emissão dos GEE.

 

O projeto pretende alinhar com a estratégia delineada, no PNAEE, para o setor energético em Cabo Verde e ultrapassar as barreiras existentes, e demonstrar, através de projetos piloto nos edifícios públicos, as boas práticas e os ganhos conseguidos com a EE, e assim sensibilizar e mobilizar as famílias e as empresas privadas a envolverem-se mais nesta trajetória de criação de um mercado energético eficaz.

 

Não obstante as poupanças associadas à implementação de medidas de EE serem geradoras de benefícios que tornam a sua adoção, pelas empresas e famílias, atrativa, reconhece-se que a adoção só será efetiva se barreiras iniciais, tais como a falta de informação, a falta de técnicos competentes ou a própria fragilidade da legislação e enquadramento institucional existente, forem completamente removidas. Sendo eliminadas estas barreiras, criar-se-á um mercado de EE eficaz, que irá beneficiar as famílias e as empresas, reduzindo o peso da energia nas respetivas estruturas de custos.

 

Assim, O desafio maior desse projeto será não só, promover a conscencialização no seio da população em geral, que se revela ter pouco ou nenhum conhecimento sobre as poupanças acarretadas pela aplicação de EE, mas também, analisar um quadro jurídico, regulatório e institucional, criação de novos códigos de construção e um programa de EE para equipamentos de forma que os arquitetos, construtores, comerciantes e a população no geral possam ter mecanismos apropiados para implementar a eficiência energética nos edifícios e equipamentos.

 

Espera-se que a prática da EE venha a ser uma via de tornar tangível, de materializar a energia e, com isso, mudar a maneira como as famílias e as empresas lidam com, e consomem, energia. Tal como poupar água é um processo natural e comum em Cabo Verde, que se aprende desde a mais tenra idade, espera-se que num futuro próximo a relação com a energia venha a ser similar.